domingo, 28 de dezembro de 2008

Minha cara,

"Olha, eu estou te escrevendo só pra dizer que se você tivesse telefonado hoje eu ia dizer tanta, mas tanta coisa. Talvez mesmo conseguisse dizer tudo aquilo que escondo desde o começo, um pouco por timidez, por vergonha, por falta de oportunidade, mas principalmente porque todos me dizem que sou demais precipitado, que coloco em palavras todo o meu processo mental (processo mental: é exatamente assim que eles dizem, e eu acho engraçado) e que isso assusta as pessoas, e que é preciso disfarçar, jogar, esconder, mentir. Eu não queria que fosse assim. Eu queria que tudo fosse muito mais limpo e muito mais claro, mas eles não me deixam...

...você não me deixa"

sábado, 27 de dezembro de 2008

Desejos para 2009

Tirando ter um amor né? Né.
Eu espero que ano que vem aconteça o que tanto esperei pra esse ano. E que seja ótimo, pra compensar os desastres desse. É sério, você olha, e só sabe dizer, o que eu fiz? E sabe o que eu fiz? Nada! Só fiz reclamar da minha preguiça que é um dos piores defeitos. Amo, mas tenho preguiça de conquistar. Leio, mas tenho preguiça de aprender. Vejo, mas tenho preguiça de falar. E eu só vi passar sem tirar a bunda da cadeira.
Poderia fazer uma lista imensa, do que quero conquistar, pra onde quero viajar, o quero comprar/ganhar, com quem quero ficar (muahaha), quais amigos (re)conquistar, mas eu vou poupá-los disso (mesmo que ninguém leia) e deixar essa listinha pro meu diário. Porque o que mais quero é amor no coração, e paz na cabeça. É o essencial pra meu 2009 ser lindo. Sei que eu vou sofrer, vai durar pra curar minha preguiça, mas eu vou ter também, força de vontade e fé em tudo que possa existir.
Não quero prometer. Odeio promessas. Então, prometo não prometer. Quero dançar, pular, sorrir, chorar, e de todos os verbos, o melhor: aceitar. Aceitar tudo que não acontece comigo, você merece. Sabe que merece! Logo você, Fernandinha... que sabe tão mais que outros o quanto merece, agora aprenda a aceitar, porque de quem muito será dado, muito será cobrado.
Pra dizer a verdade, só quero amadurecer, aprender com meus erros cada dia que passa e ser legal com todo mundo. Não ter preconteceitos nem julgar pela aparência. Sei que não vai ser de uma hora pra outra, mas é só pra organizar.
Organizar! Olha que organização... é porque eu não sei querer outra coisa pra todos os anos de minha vida sem amor. E eu queria tanto um amor... físico, lindo e fofo. E por mim, as outras coisas que explodissem. Seria bonito amadurecer, e tornar meus desejos de 2009 o de outra pessoa. Quero ser sincera, se isso for certo. Mas eu queria mesmo era um amor...

Corações podem ser partidos por palavras que nunca foram ditas?

É, um dia desses, aconteceu tudo que eu quis. Tudo que eu queria, alias. E foi tão triste. Tão só. Não quero nem saber o que vai acontecer pelas bandas de lá... agora que eu resolvi ser triste, mas não só.
Minha alegria é triste, se é que entende. E é tão triste, tão bonito. Só não é real. E é a segunda coisa que eu mais queria... que fosse real. Continue fazendo seu papel. E quando ele não faz o dele? E quando você quiser fazer dois papeis? O que tem de errado nisso?!
Ninguém me deixa. Dizem que não é a melhor coisa a se fazer, mas é que eu não aguento tanta coisa bonita dentro de uma pessoa só. Eu quero explodir pro mundo, quero que todo mundo saiba. O quê que tem todo mundo saber?
E agora, não sei mais fazer o que todo mundo diz pra fazer 2, porque não dá. Esse não dá. Dane-se meus princípios, e o que todo mundo diz.
Eu queria tanto ser só...

sua.

quarta-feira, 24 de dezembro de 2008

Então (já) é Natal...


Feliz Natal!

http://www.fotolog.com/sambaantigo

segunda-feira, 22 de dezembro de 2008

Eu agora

Tudo bem que minhas amigas me excluem (minhas amigas não, duas!), que ninguém me ama, que meu amor esteja do outro lado do mundo, e que meu outro amor esteja mais lindo do que nunca, que eu estou morrendo de saudades dos meus dois amores, que eu não vi Maria, que minha prima queira arrancar todas minhas espinhas e esculhambar minha pele, que Hugo me odeie, que eu menti e me arrependi, que estou lotada de coisa pra fazer (...). Não importa! Só ligo pro que me importa, e não estou nem aí pra isso (mais). Que o mundo acabe, e exploda! Mas vai acabar e explodir feliz.
Estou feliz. Não sei se foi o clima de Natal, meu primo que se lembrou do meu filme Crepúsculo, a amiga de minha prima que fiquei conversando hoje no salão, a linda manicure que tenho, a linda família que tenho, o lindo recado que recebi hoje, o lindo apelido, os favores de natais, o homem da farinha da feira (...).
Agora, vou responder meus scraps, porque gente pobre quando aparece na TV ou tira foto com um cantor, é um caso sério viu!

sábado, 20 de dezembro de 2008

Não sei amar.

Descobri hoje, de toda minha vida, de todo mundo falando disso toda minha vida, só hoje fui descobrir: não sei amar. E tal descoberta machucou e veio junto com uma inveja desgraçada de todo mundo que sabe. Ou pelo menos, sabe fingir muito bem!
Meus casos amorosos, duram um bom tempo, mas basta uma saidinha pra Anagé, que meu amor vai junto. Fraco o suficiente pra não suportar uma distância de 100 km. Quando gosto de alguém de verdade, ou mora longe ou não gosta de mim de verdade. Não quer dizer que não amo, só não sei amar. Aliás, sei lá. Só sei que nunca senti tal amor que todos citam. Tanto amor que não cabe no coração? Onde já se viu?! Ah, amigos... adoro os meus, e quase não passo disso. Tenho pena deles. Sorte a minha.
Queria eu sentir só um pouquinho do que todo mundo sente, ou finge sentir pelas pessoas. É tanto amor, que não dá pra imaginar. Até a cachorra da vizinha eles amam. E tem sorte, porque a melhor amiga mora do outro lado, e o amor é correspondido. Quanto à amiga, e o amor, eu entendo metade. Só não entendo minha não capacidade.
Acho que preciso de pessoas mais verdadeiras, pra ser verdadeira também. Eu hein. Vou parar, antes que alguém que eu ame pense que eu não o/a ame e venha tirar satisfações... de qualquer forma, ainda acho bonito falar "eu te amo", quando é sincero e de coração. Só não podemos amar a cachorra da vizinha né.

(nem reli, então relevem os errinhos!)

sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

Atualizar e organizar.

Eu só preciso colocar em algo material as minhas chatices e o que eu tenho pra fazer. Bom, eu tenho que fazer um vídeo pro Natal, e eu não sei mexer (mais) naquele programa que vem no PC pra fazer vídeo. E eu vou ter que catar foto de todo mundo da família pra colocar no vídeo. Tenho que aprender tocar "O caderno" (Toquinho), até o Natal também. Preciso atualizar isso aqui, minhas leituras blogais que estão super atrasadinhas, minha Tati Bernardi, que ainda tô em 2007, meus CDs que só ouvi uma vez, tenho que dizer que estou com saudades, ainda. Preciso fazer uma lista do que eu quero comprar, do que eu quero juntar, das minhas metas, desejos e realizações para 2009 etc. Tenho que aceitar/recusar os milhões de amigos que estão acumulados em orkut, entrar no site de baixar séries, baixar minhas séries lindas.Preciso ler OITO livros, seis estão comigo, e estou lendo 4. Rá! Quero ver Alice. E Chelly. E atualiza-la dos babadinhos. Meus babadinhos, nada tão legais, mas ela me ouve. NÃO POSSO ENTRAR EM 2009 ASSIM! Tenho que dizer a bosta que o Brasil é (sobre Bernardo que ganha de 1 000 à 0 em Barreto, pelamordedeus!), e a merda que Conquista é (Crepúsculo NÃO VAI PASSAR!!!), mas deixa isso pra quando eu terminar pelo menos, o vídeo! Vou começar procurar as fotos, e pedir todo mundo! Beijo, boa sorte pra mim. A gente se encontra antes de 2009 ainda, eu acho.

sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

Salvador

As coisas por aqui estão bem. Mesmo com dois tios aposentados e caseiros, a situação está melhor do que o friozinho gostoso de Conquista. Tinha tempo que não passeava por aqui, já tinha esquecido como é bonito as favelas, e os prédios, o quase pôr-do-sol da janela da casa de minha tia, e como eu amo minha prima e meus primos LINDOS de morrer *socorro*. Com minha casa sempre cheia de meninas, é sempre estranho ver alguém do sexo oposto passeando pela casa só de toalha da cintura pra baixo.
Já fotografei, já me retei com minha irmã, já quis morar aqui, já quis voltar, já tive uma linda conversa, já liguei. Meu Deus, se em cada viagem as coisas dessem certo assim, eu viajaria todo dia. Engraçado, como de tão longe, me aproximei de pessoas que sempre estiveram tão perto. E de pessoas que sempre estiveram longe, também.
Apesar de tudo aqui ser light, e uma dieta da pesada, já tratei de comprar minha sobremesa na esquina mais próxima. Mas me disseram que faz bem: comida saudável e muito verde. Eu como, né.
Comprei um lindo CD de Oasis, na promoção, claro. Mesmo querendo Blink-182... os caras são tão bons quanto. Quase forcei minha irmã a comprar Red Hot, e sou uma pessoa feliz, agora. Rá!
Minha carteira tá quase num preço satisfatório, se não fosse a pão-dureza do meu pai, estaria pulando, mas não reclamo. Aliás, ela tem quase uma foto, que traz boas lembrenças. Não é foto, mas serve. Lembro que você disse "Guarda aí, pra lembrar de mim", e eu guardei. Mesmo que eu lembre sempre, faz mais sentido ter algo material por perto.
Só me arrependo de não ter trago o cabo da máquina, mas eu não ia usar mesmo. E as flores daqui são lindas. Só falta ver o mar.
Agora, vou comer as coisas integrais que minha tia preparou. Depois, minha linda cocada. Vou ver se dá tempo sair com as queridinhas das postura (Olívia & Sonale). Beijo melecado de felicidade, sol e praia (Hugo que me desculpe, mas eu gosto de qualquer jeito!).

segunda-feira, 8 de dezembro de 2008

Os que marcaram minha vida em 2008! ♥

Não consigo deixar nada subtendido, comigo sempre foi tudo na lata, e eu estou batendo meu record. Eu consegui! Não sei se é bom ou ruim, mas não estou seguindo o coração, e hoje estou feliz. Sem amor. Mas só por hoje. huahua
Na verdade, quero dizer sobre os que marcaram meu 2008. Ou melhor, o que marcou. Desses ctrlccrtlv que virou moda no orkut e todo mundo mandou até pra vovozinha que não vê desde o ano passado. Sem desclassificar amigos que marcam sempre, momentos lindos, e minha família, não poderia deixar entregar esse "prêmio" somente para você! Porque você esteve presentes entre todas as pessoas anteriores que marcaram meu 2008. Em cada música, fala, pensamento. Você fez com que esse ano entrasse pra lista de um dos melhores anos da minha vida, sendo um choro, uma risada, um desabafo, uma foto, um conselho, uma festa, um abraço, um beijo, um aperto de mão. Você fez parte de todos os melhores momentos da minha vida esse ano. Pena que não esteve sempre do meu lado quando precisei (na maioria das vezes), mas recompensou isso com milhões de coisas seguintes indescritíveis e inexplicáveis. Seja com suas imitações, sua voz, sorriso. Soube compensar, até mais que alguns que estiveram do meu lado quando precisei. Porque você sempre sabe e sempre soube. Espero que você esteja comigo em 2009 também. Em 2010, 2011, 2012, e até quando eu suportar. Mas eu quero suportar. Porque é tão triste te ver como os outros, é tão triste não querer tanto suas coisas, é triste ter que acordar cedo pra nada, é triste ficar na internet só por ficar, é triste meu sorriso, meu olhar. Minha alegria é triste!
E é por isso, e por outras milhões de coisas que envio* isso para o melhor de 2008! ♥

*Claro que eu não envio de verdade, mas tá aqui pra quem quiser. :)

Ah, parabéns pra Lucas.
Acho que ele sabe o quanto importante é na minha vida, e o quanto eu queria que esse texto fosse pra ele, um dia. Mas não é.

domingo, 7 de dezembro de 2008

Orkut

Sorte de hoje: Não tenha medo de ir devagar; só tenha medo de ficar parado

terça-feira, 2 de dezembro de 2008

Queria estar vendo filme.

Odeio estar aqui quando está passando um LINDO filme na HBO (Nem me pergunte o nome, mas parece que é legal! Sério.) e só estou aqui com super esperança de alguma coisa entrar, perguntar como estou, como vai minha vida, se já estou de férias do inglês e se vou estar aqui amanhã.
E não adianta "do que adianta", porque sempre fica aquilo na cabeça: e se ele entrar e mandar um recado pra ela? E se ele entrar e quiser falar comigo? E se ele ele estiver triste? Se, se, se. Que raiva.
Eu só queria estar assistindo agora meu lindo filme, com a certeza de que você não vai entrar, não vai falar com ninguém, não vai telefonar, de que quando o filme acabar eu posso te ligar, de que você vai realmente vim me ver, de que você realmente me acha bonita (ou pelo menos, parte de mim). Só queria viver sem/com você.

sexta-feira, 28 de novembro de 2008

Tati Bernardi

Depois de um texto lindo da criatura dona do título, e comparações à minha vida, olha o que eu ouvi:

Letícia Brandão diz:
geralmente dá pra perceber o que a pessoa é sabe, tipo eu sou extressadinha e sei lá apaixonadinha só que você....... nem Tati Bernardi consegue te explicar.

hahahah.

domingo, 23 de novembro de 2008

"...pois preciso de carinho..."

O final de semana desatou uma corrente de chuvas depois de dias de uma primavera de secura anormal. Ainda que o verão esteja logo aqui, na esquina, o deus do inverno não iria abandonar sem luta seu domínio conquistado com dificuldade (não é à toa que rezei pra ele um dia desses...). Tem um cobertor no meu colo, onde a chuva congela lá fora ao bater no chão. Motivo pra eu me enroscar com um livro e um chocolate quente, aconchegando-se no calor da minha Minnie.
Mas, em vez disso, passei a maior parte da tarde no computador. Sentada confortavelmente na escrivaninha da minha casa, usando calças de pijama e uma camiseta. Paro com frequência para ouvir o som da chuva cristalina tilintar na janela e ver o acumulo da água lá fora. Estou me tornando prisioneira da chuva em minha própria casa - e com muito prazer.
Há algo agradável na chuva que interrompe a rotina. A chuva nos liberta subitamente das expectativas, das exigências, compromissos e horários. Quase podemos ouvir um suspiro de alívio erguer-se na cidade próxima ou campo, onde a natureza interveio para dar uma folga aos exaustos seres humanos. Todos afetados pela tempestade da chuva são unidos por uma desculpa mútua. O coração fica um pouco mais leve. Sem desculpas por não comparecer a determinado compromisso... todos entendem e compartilham a mesma justificativa. Alegra a alma. Mesmo que a situação só dure um ou dois dias, de algum modo cada pessoa se sente dona do seu mundo simplesmente porque aquelas gotinhas de água batem no chão.
Agora, quero neve. E o pensamento me faz rir por dentro...

sábado, 22 de novembro de 2008

Chove lá fora.

Gosto de chuva. Ela me deixa mais inspirada, mais triste, solitária, feliz, e com preguiça. Amo tudo isso. Adoro ler livro, ficar em casa, assistir The O.C, querer o cabelo de Marissa, brigar com minha irmã e dizer que ela é super chata, conversar com o irmão de certas pessoas, ficar no msn, jogar Uno com a melhor amiga no "Automático"... tudo melhora com o sonzinho da chuva. Ainda mais agora que a caixa de som daqui quebrou e eu não sei comofas.
E depois de dias seguidos inteiros calorentos, ninguém sentia tanta falta quanto eu. Sinto cheiro de terra molhada e renovação. Gosto desse cheiro. Gosto de tudo que a chuva me lembra. Pés, orelhas e nariz totalmente gelados. E eu não uso meia. Só pra ir pro Pilates, e ficar bonitinha.
A chuva bate num ritmo bonito, parece ser feita pra mim. Trilha sonora do meu pensamento de agora. Pensamento que não exponho nas linhas que agora escrevo, porque a chuva está limpando, e levando consigo na correnteza.
Mas eu só tenho um pedido, assim como se pede às estrelas cadentes: Oh chuva, traga o meu benzinho...

Me enlouquece

As vezes eu queria tanto te ver, te olhar pra saber se sou eu mesmo, apertar seu braço e sussurrar que seria tão mais bonito se fizéssemos sentido juntos. Mas não fazemos. Vontade de esperar você me chamar pro cinema, e a gente ficar lá sem falar, deixar os minutos irem se amolecendo, deixar as superfícies derreterem e quando não coubesse mais espaço entre nós dois, podíamos nos abraçar sem medo, sem traumas. Mas é que me privo da esperança, me privo da frustração óbvia, tenho um medo de errar só por ter sido irracionalmente teimosa. Quero me convencer de que você precisa mesmo caminhar sozinho, ou na mais racional afirmação, com outra pessoa. Mas é que eu não queria estar andando sem companhia agora, não queria estar sentindo esse desvalor em tudo que demorei tanto pra poder alcançar. Eu queria teu jeito quieto e interessado me assistindo narrar trechos das histórias que vivo e invento. Ando precisando é reinventar meus desejos...

quinta-feira, 20 de novembro de 2008

FÉRIAAAAAAS!

Quero saber porque ninguém tá gritando de felicidade quando estamos de férias... qual o problema dessa gente? 70 dias sem meus insuportáveis, os professores idiotas, desculpas de "o jacaré comeu meu trabalho", kró-queijo/presunto/galinha/cebola e todas as coisas que só fazem engordar (não no meu caso haha) as pessoas que a cantina oferece, espionar as pessoas, todo mundo passar o recreio inteiro ATRÁS de uma pessoa por uma amiga ou por mim (tenho lindas amigas!), fazer palhaçada pra chamar a atenção, ver o menino novo e falar que viu primeiro e que é lindo, e a professora estar escutando tudo atrás da gente (...).
Sem contar que agora eu vou ter meus banhos de piscina quase todo final de semana, e ver meus amigos queridos e passar o dia todo sem se preocupar com tarefa ou prova (não que eu me preocupava antes, mas...hahaha).
Talvez o povo tá esperando o resultado lindo do boletim, mas como sou uma exemplar aluna, vou dar meu grito de felicidade aqui, enquanto vocês sofrem por mais uma semana.

terça-feira, 18 de novembro de 2008

Sabe o quê?

Eu queria ter alguém pra contar minhas coisas fúteis, mas não sua melhor amiga, porque você quer contar sobre sua melhor amiga! E sua outra amiga, contaria pra ela, e assim por diante.
Pra ser sincera, estou com saudades mesmo de Lucas. Não dele se declarar pra mim, nem nada parecido. Mas da parte do "amigo". Quando eu abria o msn, e dizia que estava tudo péssimo, e contava tudo, sem me importar nem medir as palavras, e no final ele só dizia: "manda ele/ela se fuder." e falava algo bonitinho pra me deixar feliz. Tá, não vou mentir que o algo bonitinho era raras vezes.
Tentei subtituí-lo, mas não tem quem não confunde amizade masculina. E quem confunde, tchau! Sério, tive lindos casos de amigos, mas só por ser legalzinha confundiram legal e eu fiquei super com vergonha, e chata, e não falo quase nada mais. E o pior, é quem eu quero que confunda, não confunde. Aí eu fico aqui, sozinha, contando as coisas pra mim mesma, desabafando pra ninguém, junto com meus pensamentos desorganizados.

segunda-feira, 17 de novembro de 2008

Dica do dia!

- Pronto, a semana começou, a segunda-feira está aí mais feia e chata do que nunca e você não imagina como sobreviver até a sexta raiar com alguma possibilidade de melhora para o seu mau humor...
- A gente vai sobreviver a (mais) esta segunda-feira horrorosa, chuvosa, feiosa e teimosa! Quando você menos esperar já vai ser sexta-feira e aquela nuvem negra vai sair de cima das nossas cabeças!

sexta-feira, 14 de novembro de 2008

Féeeeeeeerias.

Odeio estudar. Acho lindo ser inteligente e tudo mais, adoro aprender, mas odeio estudar. Tanto é, que sou uma das poucas que não quer voltar a estudar em Fevereiro e não está com saudades de todo mundo. Minha sala não é perfeita, e a maioria, bem imaturo. Odeio ser prejudicada por muitos deles.
E essa semana é a pior da minha vida. Pensa você passar a maior parte do ano fazendo o que não gosta, e quando você está prestes a fazer o que gosta, você tem que fazer o que não gosta triplicado. E minha cabeça tá cheia de amizade falsa, e amor falso. E agora, tenho que arranjar um espaço e empurrar tudo, pra caber todas exatas, equeações, ossos, até lugar pra China, Índia, o bendito português, criatividade, inglês (...).
Eu só quero fazer o que quero, e não adianta "só falta cinco dias", porque CINCO DIAS é CINCO DIAS, e é MUITO!!! Cinco dias nessa escravaninha bagunçada, rabiscada e cheia de livros. Cinco dias.
Sei que não posso e não devo deixar a vida me levar, mas eu vou levar a vida com tudo que posso... só pra garantir minha média no boletim, e ter umas férias dignas... não sei se vale a pena, mas eu sempre gostei de apostar pra ver!

quinta-feira, 13 de novembro de 2008

Lágrima de amor.


Eu ia escrever algo sobre dor, mas expondo o que pensava, me confundi toda, apaguei e agora estou aqui, esperando a força de vontade chegar pra estudar pra Matemática.
Eu só quero mamis aqui, perguntando se eu já estudei.
Vou pôr em prática o que aprendi, é nessas horas que se prova, né não.
Beijos, amo todo mundo que comenta aqui (muahaha.)

terça-feira, 11 de novembro de 2008

.

Deitei no sofá, tentando dormir. Quase peguei uma coberta. Fechei os olhos para que o tempo passasse rápido, e (quem sabe) acordasse com o som da chuva, que sumiu daqui há muito tempo. Eu tenho odiado não chover aqui. E hoje era o que eu mais queria, nem que fosse uns pinguinhos. Pingos de amor.
Não me concentrei em nada, não fiz nada. Só soube ir pro futebol, é claro. E é claro que foi um saco, como sempre... e não aconteceu nada que eu queria. Tô com uma mania insuportável, de querer registrar tudo, e não tenho nada pra registrar. Cheguei frustada (antes do cachorro quente!!!) e ainda fui fazer favorzinhos pra minha mãe, com o msn ligado (ninguém fala comigo mesmo).
Eu odeio MSN, odeio todo mundo no msn, é uma frieza insuportável. E eu odeio não poder ver seus olhinhos através daquela janela, e daquela sua mania de escrever errado. Odeio. Fico com a impressão de falsidade o tempo inteiro, e ao mesmo tempo, não quero parar de falar (escrever) nunca.
Mas eu vou aprender. Tô aprendendo até não me despedir mais... Olha só! Agora, tenho 7 dias pra vida de verdade, porque quem sabe faz ao vivo.

sábado, 8 de novembro de 2008

Orgulho

É incrível (e triste!) como mudar dói. Pelo menos em mim. Assumir meus erros e concertar é tão vergonhoso. Sério, e eu sou orgulhosa ao ponto de nem agradecer quando me apontam os erros e nem me desculpar quando erro. E é um saco. É horrível. É ridículo, eu sei. Seria mais fácil se eu machucasse um amigo, e escrevesse uma carta enorme pedindo desculpas, mas mudar dentro de casa é insuportável.
Minha mãe disse hoje que é minha MÃE & parceira, mas foi estranho. Não estou acostumada com alguém me dizendo o que estou fazendo de errado. Mas ela sabe sempre falar na hora certa, e eu só sei chorar - não na sua frente, porque eu sou orgulhosa pra isso também. Mas ela toca na ferida, sabe.
Antes que eu me esqueça, vou anotar tudo que lembro, pra não vacilar de novo! Mas eu estou disposta a melhorar, e já é um começo. E eu tenho uma mãe conselheira e parceira, e não confundem isso com amiga. Não tem nada a ver.

P.S.: Eu amo minha mãe.

sexta-feira, 7 de novembro de 2008

Estou namorando!

Eu decidi que tô namorando o doutor Greg House, aquele com cara de “adoro sexo mas sou arrogante demais pra fazê-lo” que passa todo dia as oito da noite no canal 43. Menos as sextas. E sábados. E domingos. Como todo péssimo namorado, ele tem mais o que fazer da vida nesses dias.
Já que a vida inteira namorei rapazes que não me namoravam e fui namorada de rapazes que jamais namorei, resolvi namorar o House e fim de papo. Comprei um estoque de Vicodim e um apartamento em andar baixo. Tudo pensando nele.
O House pode tudo. Ele pode me dizer que meu cabelo era infinitamente melhor mais curto e mais claro. Ele pode me dizer que eu fico infinitamente mais bonita com uns cinco quilos a mais. Ele pode reclamar que eu cortei a malhação por falta de grana e paciência. Ele pode reclamar da queda hormonal e da minha mania de viver caindo. Ele pode rir da minha vontade de escrever novela ou qualquer outra coisa popular que me encha de dinheiro para eu poder escrever livros quieta ouvindo Nina Simone, da minha mania de cantar Maroon 5 e do fato de eu escrever tudo em primeira pessoa porque, de verdade, acho um saco qualquer outra coisa do planeta que não passe aqui por dentro. E o House super passa, em meus sonhos.
Quando vai dando sete e meia da noite (ahhh, a falta do que fazer, já tem uma semana que não aparece um bom freela ou um bom sei lá o quê) tomo meu banho. Passo meus cremes. Coloco uma roupinha pra ele. Me tranco no quarto, no escuro. Vou passar os próximos sessenta minutos vendo vômitos, sangue, paradas cardíacas, berebas purulentas e a famosa “lombar punction”. Mas meu coração não entende nada como desgraça, a não ser a óbvia desgraça do amor.
Todos os dias eu acho que vou morrer. E todos os dias ele descobre mil coisas pra não deixar. Porque quase nunca se morre nas mãos dele. E todos os dias ele me magoa terrivelmente com sua amargura e inteligência. E eu deixo porque não tem nada mais sexy do que gente que te odeia. Namorar quem tá cagando pra você, então, é o auge do sexy. Por isso eu namoro o House.
Nós nunca vamos casar, ele nunca vai conhecer meus pais e eu sei que divido o seu amor com as garotas pagas. Não tem ilusão, não tem meiguices, não tem roupinha rosa com babados. É preto no branco. É sofrimento puro. É o pior namoro do mundo. Mas como diria minha mãe “quando essa menina decide uma coisa...”.

(Tati. Mas finge que foi eu! Fui eu, fui eu, fui eu.)

Sexta-feira

Eu odeio o fato de não fazer nada na sexta, e é o que eu mais "faço" na sexta. Nem que seja estudar, mas eu preciso fazer alguma coisa pra ocupar a mente. Só que eu não quero estudar. Tudo que eu queria era passar o resto do dia no MSN, e tudo que eu consigo é escrever aqui, agora que você está offline e me ignorou completamente.
É sério, que bosta de amor é essa? No meu caso, nem um pouco recíproco. Se amor for isso, não quero nunca mais amar. Nem que você tenha aquela pinta bonita perto da orelha esquerda, nem que você use aquela pulseira que te deixa super sexy, nem sua bendita cara de sono fofa. Nada vai me tocar mais... do que adianta? Adianta 3h e meia sem fazer nada! Raiva, e muito tédio depois. E eu não consigo nem chorar. O que tá acontecendo aqui, porra?!
É sério, eu não aguento mais. E desabei em três palavras de um teste idiota que achei na internet. Mesmo que ninguém tenha visto (nem verá), era tudo que eu queria. Agora, quem fica com vergonha sou eu, quem fica com raiva sou eu, quem sente tudo sou eu, enquanto a culpa é toda sua e você nem se toca, e não faz nada para mudar.
Só sei, que eu não quero mais querer, e que sexta-feira nunca é um dia muito bom, mas parabéns pro meu amigo Xande.

terça-feira, 4 de novembro de 2008

Professores

O tanto que eu não gosto (pra não dizer odeio*) dos meus professores de escola, gosto (pra não dizer amo*) da minha professora de Pilates, e do meu professor de violão. Mas meu professor de violão já tem textos demais. Ah, e o tanto que eu odeio (tá, eu não consigo) livros de escola, eu amo os livros "de casa".
Mas é só pra eu não esquecer: "Me diga aí qual professora te deixa abraçar o Victor assim..." hahaha. Morram de inveja da minha linda e amada professora, que eu só divido com Guilherme à noite!
E Jesse beijou ela. Não que isso significasse tanto na minha vida, mas eu não sei como essas coisas me influenciam. Sério, eu esperei tanto e foi lindo. (tchau, Dr. Exagero)

*Estou controlando o exagero.

p.s.: o fato de ninguém estar comentando aqui, me deixa mais sincera. Finjam que não leram (eu finjo que acredito) e não comentem, estou sem saco pra responder. (:

quinta-feira, 30 de outubro de 2008

Amanhã tem sol

Eu tenho me sentido muito mal vendo minha capacidade de amar sendo destroçada, proibida, impedida, aos 14 anos (que legal ter 14 anos)... tão pouco. Nem vivi nada ainda. Amor com inteireza e paixão? Nunca consegui. Uns vislumbres, visões do esplendor. Me pergunto se até a morte - será? Será amor essa carência e essa procura de amor, nunca encontrar a coisa?
Não quero me tornar uma pessoa pesada, frustrada, amarga. Não vou me tornar assim. Então vacilo, escorrego e a mania de perfeição virginiana no dia seguinte me dizem "que vergonha, que vergonha, que vergonha".
Eu podia contar a você dos meus últimos meses, a bagunça da minh'alma, falando com quase ninguém. Sozinha, às vezes. Cantando também. Tudo isso, se eu te dissesse, talvez tivesse ajudado a doer menos em você.
Mas mesmo que a gente se perca, não importa. Mas que seja bom o que vier, para você, para mim.

terça-feira, 28 de outubro de 2008

Clichê

A brincadeira é ter que responder as perguntas com o nome das musicas de alguma banda que você escolha. É velha e não tem alguém que nunca tenha visto, mas eu achei aqui numa relíquia e não resisti pra poder colocar Caetano aqui. (Nem todas são composições dele... olhei a lista do letras.terra mesmo.)

1. Você homem ou mulher?
- "Moça".
2. Descreva-se:
- "Magrelinha".
3. O que as pessoas acham de você??
- "Totalmente Demais". (hahahah)
4. Como descreveria seu último relacionamento amoroso?
- "Acontece"... :~
5. Descreva sua atual relação com sua namorada ou pretendente ?
- "Amor Mais Que Discreto". :)
6. Onde queria estar agora?
- N"A Outra Banda da Terra"
7. O que pensa a respeito do amor?
- "Todo Errado.
8. Como é sua vida?
- "Cada Macaco no Seu Galho".
9. O que pediria se pudesse ter apenas um desejo?
- "Todo amor que houver nessa vida".
10. Escreva uma frase sábia.
- "Debaixo dos Caracóis dos Seus Cabelos".
11. Agora despessa-se.
- "Adeus, Meu Santo Amaro" :*

segunda-feira, 27 de outubro de 2008

Aniversários

Eu queria me importar, realmente. Queria ter uma ótima memória pra lembrar de todos os aniversários possíveis. Assim, como minha mãe, com sua milhões de coisas, tem tudo na cabecinha dela.
Talvez, seja falta de esforço o suficiente... só sei que não lembro. No máximo, consigo resgatar os dos meus amores e amigos mais próximos (e olhe lá! já esqueci o de minha mãe e de uma amiga queridissima). E o que me incomoda, é que eu me incomodo com quem esquece o meu.
Hoje mesmo, chego eu super feliz de manhã, dou bom-dia a porteira e entro na escola. Espero minha amiga Ana parar de conversar e vamos juntas até a sala. Quando chegamos na sala, o pessoal "Parabéns, Ana!". E nem imaginem como eu fiquei. Pedi desculpas e dei meus lindos parabéns super chateada comigo mesma. Aparentemente, ela não se incomodou, mas eu não me perdôo. Puxa, ela foi uma das primeiras a me parabenizar na data do meu.
Não sei o que seria da minha vida sem orkut, então. Mas soa como algo anti-natural, e não "eu lembrei que você nasceu hoje e estou super feliz!". E de repente, não quero mais fazer aniversário, não quero mais essas datas, afinal, são datas comerciais... não deixam de ser. Porque eu sei que nossas almas existem a milhões de anos, talvez devêssemos comemorar por termos tido a chance de estar aqui na Terra.
Mas cada pessoa, pra qualquer que seja o dia que tenha nascido, merece os parabéns CADA DIA por suportar essa vida louca e tão significante.
Afinal, parabéns pra Chelly (que o orkut me lembrou a tempo! :D) que foi ontem, pra Ana, e pra você, por simplesmente existir.

quinta-feira, 23 de outubro de 2008

"Agora só falta você"

Quero um pouquinho de computador, um pouquinho de samba, qualquer coisa que me desprenda desse livro que eu tanto gosto. Quero um amor, uma flor, um menino. Quero um pôr-do-sol e vida demais. Quero arrasar, chorar, e rir. ~
Quero demais, quero tudo, quero nada. E não importa pra onde eu vá, que estrade eu pegue, todas levam só ao mesmo lugar: amor, amor, amor. É uma das poucas afirmativas do que falo que tenho certeza.
Meu desejo se desfaz quando o consigo, e eu invento mais outros mils, que se desfazem, também. Mas eu queria uma justificativa, queria alguém que me dissesse: estude porque eu te amo, e não "estude pra tirar nota boa", queria alguém que gritasse que me ama, e não ficasse em silêncio numa árvore sem saber o que dizer. Queria alguém que me fizesse esquecer tudo o que eu queria... que me fizesse apenas o querer.
Queria alguém pra cuidar do meu coração cheio de esparadrapos velhos e amarelados, já do pouco tempo. E ele grita pedindo alguém pra cuidar, renovar, amá-lo. E eu, só sei querer algumas coisas que ele quer.
Quer cabelos bonitos, pele morena, olhar sincero. Abraço forte, palavra linda, lugar encantado. Quer pouco, quer muito... quer tudo, ou nada.

quinta-feira, 16 de outubro de 2008

A voz do silêncio

"Pior do que a voz que cala, é um silêncio que fala.
Simples, rápido! E quanta força!
Imediatamente me veio à cabeça situações em que o silêncio me disse verdades terríveis, pois você sabe, o silêncio não é dado a amenidades. Um telefone mudo. Um e-mail que não chega. Um encontro onde nenhum dos dois abre a boca.
Silêncios que falam sobre desinteresse,esquecimento, recusas.
Quantas coisas são ditas na quietude, depois de uma discussão. O perdão não vem, nem um beijo, nem uma gargalhada para acabar com o clima de tensão. Só ele permanece imutável, o silêncio, a ante-sala do fim.
É mil vezes preferível uma voz que diga coisas que a gente não quer ouvir, pois ao menos as palavras que são ditas indicam uma tentativa de entendimento.
Cordas vocais em funcionamento articulam argumentos, expõem suas queixas, jogam limpo. Já o silêncio arquiteta planos que não são compartilhados. Quando nada é dito, nada fica combinado.
Quantas vezes, numa discussão histérica, ouvimos um dos dois gritar: "Diz alguma coisa, mas não fica aí parado me olhando!"
É o silêncio de um, mandando más notícias para o desespero do outro.
É claro que há muitas situações em que o silêncio é bem-vindo. Para um cara que trabalha com uma britadeira na rua, o silêncio é um bálsamo. Para a professora de uma creche, o silêncio é um presente. Para os seguranças de um show de rock, o silêncio é um sonho.
Mesmo no amor, quando a relação é sólida e madura, o silêncio a dois não incomoda, pois é o silêncio da paz.
O único silêncio que perturba, é aquele que fala. E fala alto.
É quando ninguém bate à nossa porta, não há emails na caixa de entrada não há recados na secretária eletrônica e mesmo assim, você entende a mensagem."

Hoje sofri do silêncio mais constrangedor da minha vida.

Roubei

"...eu sei que você não poderia estar aqui e eu aceito isso, já nem dói mais.
Porém seria bom ter alguém, pra jogar conversa fora, pra sonhar junto, pra olhar na mesma direção, pra sentir o coração bater mais forte novamente e ficar com aquela cara de feliz apaixonada e ter os olhos brilhando novamente.
Mais que seja por alguém, alguém que eu nem consigo inventar, porque acho que não existe, ou talvez seja besteira, melhor não pensar nisso, daqui a pouco o vento vai embora e eu ficarei aqui sozinha, melhor assim."

Por http://lespritfabuleux.blogspot.com/

"Tristeza não tem fim... felicidade, sim..."

Estou triste. Odeio ter que admitir, mas estou. Chateada, com raiva, decepcionada e tudo mais junto. Além da velha TPM, que virou um bolo só... e eu descontei tudo na minha amiga quando ela perguntou se tinha 60 centavos pra emprestar e eu berrei: "Ninguém aqui tem! Já não ouviu? E se tem, não querem te emprestar. Tchau". Nem fui tão dura pra tudo que tem me acontecido e do jeito que todo mundo tem me tratado (é). Depois, evitei não falar mais nada com ninguém e fui mal interpretada.
A vida é incrível, hoje te amam, amanhã te odeiam. E admito que eu não entendo, mesmo. Minha mãe anda me reclamando só porque eu coloquei o celular pra carregar em cima do puf! (Como se alguém não fosse ver o celular, e sentar em cima e quebrar, como se meu celular fosse um dos brinquedos de minha irmã) e outras milhões de coisas.
Não estou feliz, não tenho as melhores amigas do mundo (...). Cansei. Ando em lugares que não quero estar, com quem não quero estar. E quando estou em lugares que quero estar, com quem quero estar não sou muito bem-vinda.
Não sei o que aconteceu. :~ De repente, tudo juntou e eu só quero um pedaço de chocolate. Quando eu mais precisava de um abraço, vieram falando bosta que só fez piorar a situação, e aí, eu só fiquei em silêncio. Ri, porque não queria chorar... só pra disfarçar. E me fizeram falar o que eu não queria... mas essa dor é minha! E não adianta.
Sonhei ontem e lembrei, quando acordei, só não queria ter lembrado. Porque senti saudade, e não daquelas que te fazem escrever alguma coisa bonita. Foi saudade amarga, daquelas que lembram a velha frase clichê: "Eu era feliz e não sabia...".
E eu, com tudo que tenho, não consigo. Vivo em função de outras pessoas, pra agradar aos outros. Tudo por um "parabéns" no final, e um presentinho que compensa pouco.
Hoje, eu só queria que alguém dissesse que eu sou importante nessas bilhões de almas perdidas. Para alguém. Aliás, quero ser importante para mim. Ah, não... ouvi na oração de hoje, Ele me acha especial... foi Marcelo que disse. Basta.

sexta-feira, 10 de outubro de 2008

"Sou minha, só minha, e não de quem quiser"

Nunca sou quem quero. Sempre me surpreendo comigo mesma. Me contradizo o tempo inteiro e me vi traindo meus próprio conceitos.
E o pior é que quando você é irônica e as pessoas não entendem, quem fica com cara de besta é você. Eu li uma comunidade assim e não pensei pra entrar.
Faço coisas sem pensar e acordo com a cabeça martelando de raiva de mim. Minto pra mim mesma. Quase não sei me perdoar. É muito mais difícil.
Queria não pensar por 3 dias seguidos, fazer tudo que tenho vontade e ser feliz.
Pra ser sincera, não quero ser mais minha.

quinta-feira, 9 de outubro de 2008

Escritos meus...

Eu não sei mais escrever. É sério.
E talvez, eu seja menos inteligente do que parece, mais chata do que parece.
Não sei porque escrevo. Tem mil frases aí que começam "escrevo porque (...)". Só eu não consigo fazer uma.
Só sei que escrevo pra ninguém.
Escrevo pra passar a dor, o ódio a raiva.
Quando estou em paz, nem escrevo.
Escrevo pra dizer o quanto você é idiota, o quanto eu odeio todo mundo. O quanto eu odeio o quanto você não me entende.
Escrevo pra me entender. Pra entender vocês. Pra ser entendida.
Escrevo pra quem quiser. Mas não pode ser qualquer quem.
Não divulgo, não mostro, apago. Mudo, mundo, volto.
Quero guardar pra mim, tudo que tenho. Não tenho muito.
Escrevo pro vizinho, pro amor, pro marido, pra tia, pro brasileiro, pro inglês. Escrevo pro que quiser. De quem quiser. Como quiser.
As palavras saem sem pedir, sem querer-querendo.
Não sei. Escrevo porque é legal, porque eu gosto, porque eu quero.
Talvez não saiba de nada. Talvez não, realmente não sei.
Sempre quero falar de tudo, e no final, só falo de mim. Ou de você, tanto faz...
Uso reticências, coloco ponto final. Uma vez já usei exclamação, quase nunca interrogação. Gosto de emoticons pra transmitir a face. Talvez não consiga passar isso por alguma palavra.
Escrevo pra estudar. Pra fugir, pra ser sincera, pra amar, voar, inventar, copiar.
Escrevo e ponto.

quarta-feira, 8 de outubro de 2008

Bonito - 8 de outubro

Tinha tempo que não passava por algo parecido. E agora, já que passei, tenho que escrever. Não tão detalhadamente como contaria para uma amiga, mas detalhadamente como contaria pra mim mesma. E não precisam entender, mas se entenderem, ótimo.
Depois de todos sintomas anti-encontro (não vou explicar que não é um encontro casual pra algum lugar porque estou escrevendo pra mim) tomei coragem e fui, com a cara mais bonita que conseguia fazer, e a alma mais verdadeira que poderia ter. Demorei um pouco, passei por alguns objetos verdes nada difíceis.
Logo que me viu, tratou de sair do bolo de pessoas e se afastou um pouco para me ouvir. Abracei-o carinhosamente. Abraço fraterno e seguro. Dei meu recado, da melhor forma que consegui, escolhendo as palavras, e falando devagar pr'eu nunca me perder daqueles olhos que me olhavam nos olhos. Falava enquanto tocava sua parte mais bonita, até aquele momento. Agora, sei que são seus olhos. Olhos negros que abriga um olhar sincero, puro, transparente.
Queria que você pudesse saber de como é bonito, queria que estivesse no meu lugar, pra saber que coisa bonita de se ver, aquele olharzinho, aparentemente normal.
Você agradeceu me chamando do que gosto de ser chamada. Mas não precisava, não precisava dizer nada. Eu recebi mais que você, quando deveria ser o contrário e isso valeu um ano inteiro.
Sabe, eu tinha milhões de coisas pra falar, mas cada uma no seu tempo. Só espero que saiba ouvi-las, meu bonito.

"Há nos teus olhos
Ilhas distantes e serenas
Há nos teus olhos
Tantos caminhos e trilhas
Há nos teus olhos
Muitas estrelas
Muito, muito silêncio
Muito luar
"
(Vinicius de Moraes)

terça-feira, 7 de outubro de 2008

:)

Alguém me disse que eu tenho o sorriso mais lindo do mundo. E é claro que agora eu tô sorrindo pr'as paredes. E, talvez, seja verdade: big girls dont cry.... mas só talvez.

segunda-feira, 6 de outubro de 2008

Hora da saída

A Sacramentinas nunca foi um ótimo lugar que todo mundo quer ir. Mas também não é essas coisas todas que todo mundo diz que só tem mauricinho, metidinho e "filhinho de papai". Pelamordedeus, odeio pessoas que me incluem no geral quando eu não faço parte do geral. Tento não fazer isso isso com os outros, também.
Sim, mas não vem ao caso. Acontece que hoje eu conheci ótimas pessoas dentre os filhinhos de papai daquela escola de freiras. Pessoas que já conhecia mas tive uma conversa bonitinha hoje. Fui legal com todo mundo. E olha, que não fui legal porque tinha que ser, fui legal porque quis ser.
E me contaram uma história chocante (que confiança, hein! :X), que me deu vontade de sair contando pro mundo inteiro, mas eu só contei pra minha mãe e meu pai que com certeza não vão contar pra ninguém. Fala se não mereço uma estrelinha! haha *só pra ficar claro: eu não sou fofoqueira. mas quem consegue guardar um segredo meio importante só pra você? se alguém aí conseguir, meus parabéns*
Descobri mais uma pessoa linda nessa multidão de gente chata (não estou falando de todo mundo!!, tá?) que trata todo mundo com amor e carinho. A paciência de outro alguém, e as histórias da menina que eu sempre pensei que fazia parte da maioria.
E eu só queria levar esses metidinhos do bem pra vida inteira. Foi uma coisa bonita, naquela arvorezinha. Conversa agradável, gente boa e bonita. Eu sei que amanhã eu vou estar no mesmo lugar de sempre, e que eles nem se lembrarão da "saída" que eu fui mais legal em minha vida e "conheci" gente mais legal ainda.
Mas tudo bem... "É a vida". *quase mudando de assunto rapidinho* Sabe, eu não gosto dessa frase. Parece que culpamos a vida por tudo de ruim que existe. Mas o meu é a vida, quer dizer que tudo passa, e que se for pra ser eles, vai ser, não importa o que aconteça. É lindo hoje, pode ser triste amanhã, e morto terça.
*detalhe aqui: olha que coisa mais "de Deus": eu quase sempre demoro uns 10 minutos pra ir embora e minha mãe que vai me pegar, mas hoje meu pai que foi me pegar às 12:20 e eu saio 11:30!*
*quantos asteríscos! estou vendo estrelas, beijos*

domingo, 5 de outubro de 2008

"Estou com você pra QUALQUER HORA"

Já usei essa frase e já recebi muitas parecidas. Acontece que nada acontece assim de verdade, na prática. Quando você mais quer não tem ninguém do seu lado. E não adianta gritar, como alguns já complementaram. Nem ligar. Frase mentirosa. Absurdo que a inventou.
Não reclamo dos meus amigos, e sim da falta deles. Tenho exatamente 3 amigas "pra qualquer hora". Mas o que acontece quando uma está viajando onde não pega celular, nem internet; a outra está brigada/chateada/retada/ferrada por ciumes da terceira; e esta última é "intelectual" e não entenderia nem um terço do que eu fosse dizer? Até porque ela não curte esse assunto.
E aí, era exatamente agora que eu deveria sair procurando amigos por internet hoho. Mas eu só queria ouvir, ver e sentir. Queria que alguém dissesse "que bom!". Queria ter mais quartas, quintas, sextas, sétimas, oitavas pessoas pra poder ligar e contar o que aconteceu. E dizer que eu estou feliz, pela besteira que seja. Mas hoje, eu não tenho ninguém. Minha mãe tá viajando, minha irmã também, as pequenas nem sonham o que seja, e meu pai me levaria no médico.
Nunca me importei com meus leitores (daqui). Pra dizer a verdade, sempre me importo para que as pessoas certas lêem, mas pouco me importa quem comenta ou deixa de comentar. Mas hoje, só por hoje, eu queria mesmo saber quem passa aqui. Por favor, vai, não custa nada deixar um "oi, estive aqui", ou "cara, como você escreve mal!", "odeio seus textos"... ou, quem sabe, na melhor das hipóteses: "você é o máximo".

quarta-feira, 1 de outubro de 2008

"Aquilo"

Hugo - http://nineonehugo.blogspot.com/ says:
Porque aquilo? Proibido falar sexo agora?

Lembrei do que Pedro disse uma vez no Fisk: "porque vocês meninas não falam a palavra sexo?... sexo, sexo, sexo, sexo, sexo, sexo, sexo, sexo, sexo, sexo, sexo (...)". Daí a professora chegou e ouviu: "oxe... o que é isso? pára de falar isso, menino!" Eu não sabia se morria de vergonha ou se morria de dar risada.
Não sei porque não falamos essa palavra. Acho que é meio íntimo íntimo demais pra sair falando por aí. É como se dissesse que você menstruou sangue meio marrom (eca, eca, eca) ou algo parecido. Dizem que é bonito demais. Tudo que temos/tínhamos de bonito até hoje no mundo foi destruído ou está sendo. Talvez seja uma forma de mantê-lo bonito ainda, em segredo, guardado. Guardado pra melhor pessoa do mundo. Pra melhor pessoa do seu mundo.

Hugo - http://nineonehugo.blogspot.com/ says:
Acostume-se.
Hugo - http://nineonehugo.blogspot.com/ says:
A vida é isso aí mesmo.

Não quero me acostumar. E avida não pode ser isso. Eu sei que a maioria vence, mas eu sei que existe um bocado de pessoa maravilhosa nesse mundo que vale muito mais do que toda essa maioria ao triplo. Maioria chata, imatura, destruidoras das coisas bonitas.
Precisamos de gente que não se acostuma, que é indiferente com quem faz algo diferente.
Toda regra tem excessão, sim. Mas ninguém sabe o que tá por trás daquilo. porque perdeu uma mãe não lhe dá o direito de sair matando aula pra fazer o que não deve na casa dos outros.

(16:16) Ayume 東: o sexo é uma coisa natural, entende?
(16:16) Ayume 東: mas não é por isso que você vai sair por aí fazendo com todo mundo (adaptado)

Eu sei lá, hein. Só sei que ainda não falo 'daquilo' na frente de nenhum menino (fora Hugo que me 'faz falar' {no caso, digitar} e me deixar vermelha ¬¬). Agora, tenho que aprender a enxergar com os olhos do mundo... olhos crués da vida. (ou não!)

Evoluir faz a diferença

Eu adoro os posts de Rochelly, aliás, eu adoro minha linda e maravilhosa amiga por completa. Mas eu admiro mesmo a capacidade que ela tem de lutar pelo que quer e conseguir (tipo estudar quando está morrendo de vontade de passar o dia no computador). Pra dizer a verdade, tenho um pouco inveja disso, mas só um pouco. Tá, mais ou menos.
Sabe quando você luta por uma coisa assim que quer muito, e consegue? Tipo... parar de fumar. É, isso. Ou ser gorda e quer muito emagrecer e fazer uma dieta. Bom, eu não fumo, nem sou gorda. Mas sinto que preciso de ideais do tipo tentar emagrecer ou conseguir parar de fumar.
Um dia, disse pra minha mãe que eu queria ser gorda, queria ter que lutar por uma coisa que me faria bem, tipo emagrecer... acho o máximo quando todo mundo diz que "tá fazendo dieta" haha. E eu aqui, comendo 4 mil quilos de chocolate a vontade. (Morram!!!) Mas ao invés de minha mãe dizer "que bom que não tem nada, agora é só curtir!" ela respondeu "mas é claro que você tem... ser gorda seria uma boa opção". Mentira, eu sou mongol. Claro que minha mãe não disse isso, mas eu sei que ela queria que eu fosse mais gorda (é mais fácil achar calça, sabe). Sério, ela disse que eu tinha outros ideais, do tipo parar de futucar minha testa. Nossa, e a partir daí começou uma perseguição terrível! Ela comigo, e eu com minha testa. Era só ficar ansiosa, com medo, com frio, que brigassem comigo e tudo mais que minha unha ruída (só pra ficar bonito mesmo... eu também não rôou unha) estava na minha maior espinha no meio da testa. Não demorava muito pra virar a cratera do universo. E passava mais um tempinho e lá estava minha unha pintada cor-de-rosa de novo.
Foi difícil, dificílimo demais! E não comparem com tentar emagrecer porque é quase a mesma coisa, nem vem. Mas eu consegui! Minha testa hoje está em tratamento e agora é a vez de cuidar da minha perna com problemas de circulação e estrias por toda parte. Estou aprendendo a usar o remédio no horário certo e tomar banho todas as manhãs (soninho -.-). E tem mais mil coisas pra fazer, e eu aqui, escrevendo essa baboseira.
Bom, não se preocupem se não tiverem excesso de gostosura (nada contra os gordinhos, hein)! É só parar de futucar as espinhas da testa. Se não tiver espinha, cuide dessas suas estrias horríveis da perna! Se não tiver estrias, vá escrever qualquer coisa no blog e seja feliz.

Argh

Depois de fazer besteira no blog e perder os endereços dos meus amigos blogueiros, eu vou ficar quieta e deixar isso aqui por mais de um mês. Que assim seja.

domingo, 28 de setembro de 2008

CHAPADA DIAMANTINA (25, 26, 27)

Nenhuma palavra conseguiria traduzir como foi linda a nossa viagem, mas eu só queria agradecer. Agradecer todo mundo, quem me deixou conhecer, que eu conheci, quem me conheceu, que eu conheci mais (...). Queria que vocês soubessem mesmo do quanto foi feliz, queria colocar aqui todas as fotos, mas se alguém se interessar me peça depois.
Queria destacar todos os guias, e a enfermeira fofíssima Amanda. Achei incrível o trabalho de vocês, nossas conversas, o papo cabeça, tudo. É lindo como vocês saem por aí, encantando as pessoas, conhecendo outras, deixando feliz. Como Darlan disse, "a gente faz isso: amizade". Meu bem (Sátiro) dono dos olhos mais bonitos do mundo, Mesac e Amanda, vocês são ótimas pessoas, que me encantaram num instante! Não só eu. Vou morrer de saudades, mas nada vai conseguir mudar o que ficou.

Faz cara de choro: oun tio, promete que não vai me esquecer :(
Sátiro: prometo, não vou te esquecer não, meu bem

Faz cara de choro: oun tio, promete que não vai me esquecer :(
Darlan: oxente, jamais esquecerei essa franjinha

Darlan: vocês são bagunceiros e barulhentos, mas são legais!

Eu sei que o tempo vai passar, tudo mudar, mas eu pelo menos tenho os laços invisíveis que vocês deixaram marcados pra sempre no meu coração. Foi incrível.

O Poço Azul pra quem não conhece, vale a pena demais! É lindo, um paraíso. A festa foi perfeita, DJ Sassá mandou bem! Dançamos até. :D A trilha que ganhamos (grupo 2 é o melhor!), ser pega pela diretora tentando fugir do quarto, os 'pitbulls' do corredor, as vizinhas de quarto, Leti Lauton e a Coca de 2 litros com canudo duplo, Rafaela com as coisas feias haha, Pedro meu dono, Carol meu tesouro, Lara linda, Fernanda minha chará que NÃO se chama Fernanda, Juli que guardou meu tênis, Rafa, Lê, Mana, Lua, May que foi abrir a porta depois de 5 minutos da irmã batendo hahaha, Lara, Chimitic e CIA que acordou todo mundo 5 horas da manhã, os meninos, Alexandre que me acordou com um beijinho na bochecha no ônibus e não passou pasta em mim, (oun) Breno que usou meu chapeu o tempo inteiro, a bagunça dos quartos, cair a energia porque usamos chapinha e tudo ao mesmo tempo, nossa, tudo foi muito lindo, inesquecível e perfeito.
Cheguei em casa e chorei até não poder mais. A união da turma, a gayzisse de Lucas, a resposta de Guilherme quando eu disse "Eu sempre te amarei, e onte estiver gritarei GUILHERME É GAY!", as músicas, o violão, eu ensinando Breno a escala fobética, a invasão dos meninos na nossa ala, os meninos de cueca samba-canção hahaha, Fernando que é uma pessoa incrível e coloca a rede em cima da árvore e fica lendo enquanto os meninos jogam futebol embaixo (...) e milhões de outras coisas inexplicáveis.
Nada consegue traduzir. Foi DEMAIS, obrigada todo mundo, de coração.

quarta-feira, 24 de setembro de 2008

Mãe, meu pássaro fugiu, quero comprar outro

Observava de longe. Aqueles olhos que olham quando o outro não está olhando. Olhos de felino que seguem a presa. Olhar que desconfia, olhar de ciúme. Vigiava gestos, movimentos, horas, sorrisos. Destestei ter que existir o pensamento. Por mais que o vigiasse, ele estava além de minha vigilância. Sofria porque ele estava longe e eu não sabia o que pensava.
Silenciosamente, apenas com o barulho dos alunos da escola, observava. Queria adivinhar os seus pensamentos. E minha vigilância queria ir além quando ele sorria ou ria. Como explicar aquele sorriso? Que era pra ser meu um dia...
Nada o prende. Ele é um passáro pousado no ombro, pode voar quando quiser. Eu sei. Mas eu queria estar ali. E minha alma se encheu de inveja, e um pouco de felicidade. Minha amiga que eu tanto admirei... que eu tanto disse pra minha mãe, que eu tanto comentei com outras amigas, nome que eu tanto quis ter igual. Ela é um exemplo, sempre a achei. E agora? E agora, que eu só queria ser ela.
Queria ter aqueles cabelos presos, a pele morena, uma ótima jogadora de futebol. Eles estavam lindos, não pude deixar de notar. E eles combinavam perfeitamente, o sol batia em suas cabeças, e refletia em meus olhos. Estavam sentados num banco, um com a pena para um lado, e o outro para o outro, poucos centímetros de distância.
Passei rápido, e meu coração bateu mais rápido ainda. Eu tinha feito tanto, e ela só precisou de uma tarde.
Quando se separaram fui falar com ela. Preferia conversar com ele, mas seria mais complicado. Ela me contou umas coisas bobas sem saber o que se passava em mim. Agora, ele conversava com ela, sorria pra ela, gostava dos cabelos dela.
De repente, me lembrei. Não era assim. Por que eu estava daquele jeito? Eu tenho uma ótima pessoa comigo, não precisava daquilo. É estranho a confusão que eu faço com tudo. Meu exagero e minha indecisão de sempre. Tinha 2, e agora, não tenho nenhum... só porque eu quis, deixei. E de repente, percebi que faço parte dos 99% que acredita que "a gente só dá valor quando perde".
E o pássaro voa, o pássaro volta... Mas pode ser que voe e não volte...

terça-feira, 23 de setembro de 2008

Política

Post apagado por princípios mudados.
Política é liberdade, também.
Com juízo.
E sem socialismo.

segunda-feira, 22 de setembro de 2008

Querido diário (da Capricho hein! haha)

Tenho que voltar a escrever no meu diário, sério. E quando eu tô na semana chata de não-vou-escrever-mais-nunca-nessa-bosta porque minha irmã leu, ou por pura birra são vocês que tem que me aturar! Então, lá vai...
Tive uma sexta bem preguiçosa = muito minha cara! E eu amei, claro. Sem filmes, sem tarefas, sem compromisso. Passei o dia lendo Maria Helena e vindo de vez em quando aqui na minha abençoada internet. Jack Jhonson como musiquinha de fundo *lala*. E o bom incenso de gardânia para paz e proteção. :))
Sábado acordei cedinho (ou seja, 8 horas) para comprar o que faltava pra minha viagem pra Chapada (Diamantina). É uma viagem que acontece todo ano na 7ª série, com "quem quiser ir", mas claro que paga uma boa graninha $$ mas vale a pena, eu acho! Não gosto muito de comprar roupa/experimentar roupa/ir em loja/fingir que gostou e etc, mas concordo com minha mãe quando ela diz que não há nada melhor que um shopping pra desestressar! Antes, fomos na lojinha que eu adoro (Conexããão, lá no shopping sem ser o Conquista Sul, aquele velho abandonado mesmo! Aconselho :) Lindos pijaminhas) e comprei 2 pijamas super fofos, e um boné nada muito chique! E aquele menino que eu e Mana vimos no Projeto da escola estava lááá! *morre* hahaha.
Depois fomos na rua, ver não sei o quê (eu tenho amnésia). Só sei que sai de lá com um óculos super lindinho de sol (eu não saio por aí comprando óculos porque é lindinho, viu? hauauh, eu realmente não tinha!) bem minha carinha.
Enrolamos a manhã toda e fomos passear no shopping. Compramos nosso macarrão delicioso e chegamos em casa 2:30 pra viajar uma hora! hehe :X No fim das contas, meu pai nem brigou. Passamos na padaria, pegamos os docinhos deliciosos de sempre e fomos, nós 6 (meu pai, minha mãe, eu e minhas irmãs) para A cidade: Ibitira. Eu dormi a viagem toda, nééé! (2 horas pra compensar o horário em que acordei hahah :x)
Chegamos e tava todo mundo naquele ânimo, e eu na maior preguiça perguntando o que estava acontecendo. Bem, minha tia tá se candidatando à prefeita, em cidade pequena, 4 mil e poucos habitantes, aí já sabe né! Aquela folia... E o povo veio me dando bandeira, coisa pra colocar no cabelo, e não sei quê lá e eu me arrependi amargamente por não ter levado a máquina de próposito.
Dormi apertadinha com tia Telma e Júlia e acordei 8:30 com os barulhos de minha vó. Tomei café e ainda não tinha visto minha prima queridinha (Rebeca). Fui na casa dela, e lá estava a futura prefeita e o movimento na casa de injuriar e me deixar louca. Voltamos, amoçamos churrasquinho por papis (L) que estava super delicioso! Fui no Comitê, conversei um tiquin com o pessoal lá e Tcchê, que já tem 17 aninhos e vai voltar na titia! haahahahha
De tarde, teve a carreata. 300 e não sei quantos carros amontoados num posto e barulho demais!! Vi minha linda amiguinha Marília com seu namorado, Té, Beca e todo mundo! Tinha um trio elétrico lá que o povo endoidou e mil e uma motos. A maior bagunça! Depois de muita espera, a carreata saiu, e depois de tanto trocar de carro fui no de meu pai com Jujuba e tia Nenem. Fizemos barulho, cantamos e eu nunca imaginei que eu gritaria 13 (eca, eca) um dia! Mas eu gritei, só por minha tia (eu sou uma linda sobrinha :)). Ai chegamos de noite, paramos na praça, e teve aquela falação que eu não aguentei e voltei pra casa. Waldenor, Zé Raimundo e CIA falaram lá e o povo gritando desesperadamente.
Aquela melequeira louca e o calor exagerado, não tem quem aguenta. Tomei meu banho, vesti meu pijama do ursinho igual o das minhas irmas (l) e fui pro quintal ouvir o que estavam falando. Foi legal, depois de meia hora meu pai voltou e viemos pra cá! Meu pai ficou com sono, e deu o carro pra minha mãe, e minha mãe cega à noite veio igual uma tartaruga. Chegamos quase uma hora da manhã e eu tinha aula hoje!
Acordei cedo morrendo e fiquei com inveja de Luana, que também foi pro comício de Anagé e chegou no segundo horário e eu não :( Só :D
Ah, mudei aqui e não está muito minha cara, mas é temporário. Muito lindo o que Nat fez pra mim né? Tirou e editou a foto aí em cima... Morro de saudadessss, Natbel ♥
Ahhn, oi Hugo. =D É bom te ver de novo.
Pois é! Beijos :*

segunda-feira, 15 de setembro de 2008

Semana Espírita

Dentre outras coisas lindas, fins de semana na casa de Ceci, bolinhos, conhecer alguns tios (né Benazir?! hehe), raspinhas e outras delícias, ontem acabou a Semana Espírita. E mesmo me retando com o mundo por ter ido APENAS DOIS :O dias foi muitíssimo lindíssima. Raul e Divaldo sempre arrasam e encatam. Bezerra então... (L)
E agora, tô aqui com o gostinho de querer mudar o mundo começando comigo mesma. Com o dom que temos. Todos.
E não é besteira. Quero que não acabe, de verdade. E o mundo pode desabar agora, que estou em paz e feliz.
Cheguei em casa e olhei pra tudo, emocionada. Sempre tive mais do que mereci. Sempre mereci menos do que tenho. E agora, só quero recompensar. Às pessoas, às minhas irmãs, família, amigos, ao Brasil até, e principalmente à Deus. Com amor, como amo a mim mesma, e paz, muita paz.
Fiquem bem!

"O Espiritimos não é a religião do futuro, e sim, o futuro das religiões!"

Mallu!



Votem aí na minha tchubarubazinha ♥

terça-feira, 9 de setembro de 2008

Um último post antes do abandono.

"Fui caminhando mais leve. Mas só quando cheguei à Paulista compreendi um pouco mais. Aquela prostituta chorando, além de eu mesmo, era também o Brasil. Brasil 87: explorado, humilhado, pobre, escroto, vulgar, maltratado, abandonado, sem um tostão, cheio de dívidas, solidão, doença e medo. Cerveja e cigarro na porta do boteco vagabundo: carnaval, futebol. E lágrimas. Quem consola aquela prostituta? Quem me consola? Quem consola você, que me lê agora e talvez sinta coisas semelhantes? Quem consola este país tristíssimo?"

Se gostaram do trechinho procurem na net! É bem lindinho... Me segurei pra não enviar o final.

Sei lá

1. Bagunça. Odeio bagunça. Preciso de um tempo pra mim, minha família, amigos e amores. E logo!

2. Preferia ver até o diabo do que sentir aquele olhar perverso dentro de minh'alma. Olhar que come, mastiga e engole num piscar de olhos. Esse era maldoso, chato, grandes, perigosos. Mas era só olhar pro lado oposto que conseguia enxergar aqueles olhinhos verdes que transmitiam paz, amor, carinho, compreensão... Que eu sentia liberdade pra afundar neles num pulo de trampolim. E mesmo que meu pulo fosse horrível, sei que estariam ali pra acompanhar, chorar. Leio seu olhar.

3. Do que adianta um museu sem turistas?

Temporariamente abandonado!

domingo, 7 de setembro de 2008

Tédio.

Ontem eu fui pra um lindo churrasco contra minha vontade (como sempre). Abri um sorriso amarelo e fingi que ia ser bom. Me surpreendi, e foi. Conheci Guiu, filha de David, super simpática, super fofa, e super cantora e tocadora de violão. E ela gosta de domingos! Segundas também. Ainda não sou tão evoluída assim. *morre*
E agora, tô aqui morrendo de tédio no pior dia da semana, louca querendo ser Ingrid (Guiu). Aproveitar o domingo da melhor forma e me sair super bem na minha pior prova, da pior professora em plena segunda-feira.
Preciso gostar de quem não gosto. Preciso aprender a gostar de domingo. Preciso saber me concentrar. Preciso aprender a escrever algo que preste.
Agora é pra valer, tô estudando.

quinta-feira, 4 de setembro de 2008

4 de setembro

Preciso de música no volume máximo. Eu nunca gosto de tudo muito alto. Muito barulho, muita gente. O exagero é ridículo. Mas hoje eu queria, só pra passar, só pra eu acreditar que você realmente vem.
Preciso ficar bonita pra alguém. Um dia que seja. Só não quero alimentar falsas esperanças. Queria que fosse verdade. Mesmo.
É claro que eu quero ir lá fora, mas não posso. Hoje não.
Olho para o celular, ele me olha, querendo me passar um trote no mesmo instante, sabe que vou acreditar. Mas no fundo ele acredita em mim e nele. Eu sei.
O que me incomoda mesmo, é você não acreditar que é sua última chance. Mesmo não sendo. Mas você pode melhorar o tanto que quiser, é só querer. Só vim.
Quando eu der um sorriso... já sabe. :)

terça-feira, 2 de setembro de 2008

Amor

"Talvez porque não tivesse sentido
talvez porque não houvesse explicação
esse negócio de amor, ela não sabia explicar,
a menina"

Umas vírgulas nos lugar errado, mas nada que vocês não entendam. É o seguinte, eu seria, ou deveria ser a última a falar disso, mas... aqui estou eu de novo falando nada com nada. É que esse sentimento é estranho. Te faz falar com estranhos e falar/fazer coisas estranhas.
Uma Lei de Murphy seria adaquada nesse próximo parágrafo, mas eu não sei onde eu enfiei o parágrafo. Mas é mais ou menos resumidamente assim: você ama quem não te ama, e quem te ama você não ama. Sempre.
Ora acredito no amor, ora na Lei. Mas o que mais vejo acontecer é a Lei. Não aprendi isso, mas devia. E eu aqui, nos meus pensamentos pensando o que leva uma pessoa a ser tão idiota. Quem ama, ou quem não vê quem ama. Não sei qual é pior.

vontade de matar 1
(22:41) ø: oow veei
(22:41) ø: voce falando palavrao eh liindo
(22:42) ø: com raiva mais ainda

vontade de matar 2
(22:30) ø: oow menina
(22:30) ø: voce é tao liinda

vontade de matar 3
(22:25) ø: voce odeia gostar de mim?
(22:25) ø: faz assim naao
(22:25) ø: eu amo amar voce!

Isso já tem um tempo, e pra completar me aparece Hugo:

"(...) Se fosse eu só te diria que você marcou muito a minha vida. E que se eu pudesse voltar atrás eu morreria por isso. Nada que ela não deva saber."

No primeiro caso, o que faz uma pessoa acreditar que não é verdade? Que não é amor? Que ele não merece nem um pouquinho de carinho? E no segundo, o que os fez terminar? Se antes eram bem mais felizes... (acredito). :~

Só sei que nada sei. E sou poeta e não aprendi a amar.

sábado, 30 de agosto de 2008

Help/Ajuda


Não demorou muito, logo após a foto ser tirada pra eu querer uma tecla dessa na minha vida. Onde você apertava e ela te dava qualquer dica automática que ajudaria muito dali pra frente. E na próxima fase, você poderia apertar de novo e assim por diante. Sempre com um empurrãozinho super valioso. Mas me peguei mais uma vez pensando materialmente. Não preciso de tecla. Tenho Deus e os bons amigos para me ajudarem, dar aquela dicazinha extra. Basta querer apertar o botão. Basta ver o invisível, escutar o mudo. A minha ainda está em fabricação, adiquira a sua! É de graça. "Felizes aqueles que acreditam sem ver."

quinta-feira, 28 de agosto de 2008

Sobre morrer e viver

Viva.
Eu rodei, rodei, rodei essa internet inteira atrás da revista com a bendita capa "Sociedade Secreta" (pelamordedeus! alguém aí leu?), mas como não encontrei, vou dizer tudo que lembro.
É o seguinte, tinha uma certa matéria na revista que falava sobre morte (vida). O que faz os humanos acreditarem em vida após a morte é o desejo deles continuaram vivendo mesmo depois de já terem "parado de respirar", e terem por fim, o "paraíso", um lugar para viver bem pelo resto da vida já que não foram felizes nesse mundo louco. É, foi mais ou menos isso (entre muitas outras coisas interessantes). Parece ser uma idéia lógica e racional, mas é, sobretudo, materialista.
O autor pode estar certo, mas isso não explica muita coisa. Se não há vida após a morte, como certas pessoas tem mais aptidões para algo? Como nascem gênios de 5 anos tocando violão do nada? Como gostamos tanto daquela pessoa mesmo só ter trocado poucas palavras (ou nada)? Tenho plena convicção de que há sim vida após a morte. Do que adiantaria, então, vivermos? Estamos aqui pra nada?...
Certo historiador ao comentar sobre tal pesquisa, começou a contar sobre religiões do passado, e no fim, parou aqui nas tribos indígenas conquistenses. Rodou o mundo inteiro, e mesmo que seja um pouquíssimo, cada religião acreditava um pouquinho em tal fato. Só que daí, chegou o Cristianismo com todo bafafá e criou aquela idéia de medo da morte, os mortos vão nos assustar e por aí vai. Plena bobagem.
Não tenho medo de morrer. Tenho vergonha. Depois que morremos, não podemos nos esconder... aqui, soltamos uma mentirinha ou outra, lá somos transparentes, todos conhecem o que fizemos ou não, sabem o que pensamos ou não, e sabem além de tudo, nossos defeitos. E é incrível como os respeitam apesar de tudo que aprontamos.
Digo que não tenho medo de morrer. Pra dizer a verdade, não sei bem. E não apenas eu que o diga, no lado oriental, muitas pessoas dizem não ter medo de morrer, e assim quando tem uma dor de cabeça (por exemplo) deixam ela agir até se tornar um estado insuportável. Se tivermos uma simples dorzinha por aqui, corremos pro analgésico. Se vendessem analgésicos de felicidade acho que compraríamos... Alguns tomariam 3 por dia (ou mais).
É incrível como a morte, algo que acontece desde que estamos vivos, nos impressiona, nos questiona. Mas é ainda mais incrível não acreditarem na vida após a morte. Reencarnação, talvez.
Não sei muito... mas se eu morresse aqui agora, acho que 'sairia' do meu corpo, se não enchergasse nenhum amiguinho espiritual, corria pela minha casa pra ver se minha mãe me reconheceria... se não, sairia correndo pra escola. Nada, nem ninguém? Tentaria achar o caminho do Centro. André Luiz de preferência. E dái, me encaminhariam... Eu depois, quem sabe, poderia parar na Colônia Nosso Lar. Deve ser bonito... mas não quero muito. Não exijo nem um leito. Até uma cama no corredor me satisfaria. rs Mas é meio incerto, duvidoso.
Oi, eu ainda estou viva.

Alguma matéria de alguma revista.


Em entrevista concedida ao Suplemento Mais! da Folha de São Paulo, Phillipe Sollers menciona o crítico italiano Roberto Calasso, que em seu livro “A literatura e os deuses”, diz que não é mais preciso procurar os deuses no cosmo, porque eles estão na linguagem, se refugiaram ali. “para saber escrever, é preciso saber ler. Por isso há cada vez menos bons escritores, porque ninguém mais sabe ler. Mas, para saber ler, é preciso saber viver. Viver a verdadeira vida é vivê-la lendo e dizendo. Fazer verdadeiramente o amor é dize-lo também. (...)

Você tem, de um lado, a linguagem convencional, institucional, recalcada, ou a linguagem da violência e da pornografia. Uma e outra, porém, se dão as mãos hoje, como se vê muito bem nos Estados Unidos, um país extraordinariamente puritano e ao mesmo tempo capaz de uma grande mise-em-scène pornográfica. No século 19, o sexo era o diabo, a blasfêmia. Hoje, o sexo é uma mercadoria como qualquer outra. Evidentemente, o mercado reduz isso a um mínimo de significação, com uma certa brutalidade e violências, para realizar a circulação mercantil. E um mínimo de palavras também. Por isso os filmes pornográficos têm a prevalência da imagem e uma linguagem próxima da afasia ou da idiotia. Eu gostaria de fazer um filme pornográfico com a “Ética”, de Spinoza, mas ninguém me daria um euro ou um dólar por isso. Seria, contudo, algo muito belo”.

terça-feira, 26 de agosto de 2008

"...nada como um dia após um outro dia..."

Fizeram uma festinha quase surpresa pra mim, êê. Admito que foi bastante divertida... mas ainda agradeço pelo dia ter acabado, êê.

segunda-feira, 25 de agosto de 2008

25 de agosto

Feliz aniversário pra mim. Feliz e simples... como sempre foi. (Acho que li isso em algum lugar alguma vez.)
É estranho como eu não fiquei nenhum pouco anciosa e como eu estou odiando essa data. Odeio fazer aniversários desde ontem. E é nessas horas que você quer ser aquela menina que pinta o cabelo de vermelho.
Eu não fiquei anciosa, e nem esperei nada de ninguém (não dessa vez), mas me decepcionei com muita gente, e descobri outra(s) também... que estava(m) escondidinhas.
Recebi algumas cartas improvisadas, alguns presentinhos, umas besteiras e alguns "Parabéns, Deus te abençoe, felicidades (...)" como se alguém realmente se importasse por eu ter nacido. No máximo minha mãe e algumas amigas.
Enchi os olhos de lágrima com o que não ouvi e o que não vi. Eu só queria um pouquinhozinho de atenção, uma visita ou uma ligação.
Quando eu mais precisava, tive que escutar o que não queria... precisei dar meu ombro amigo, quando na verdade, eu precisava de um... quando o dia era meu, só meu... e dos soldadinhos, se eles quisessem.
Depois de tantas coisinhas chatas, entrei no orkut pra ver as novidades... e mesmo com minha data de aniversário exposta recebi 2 recados de "que bom que você nasceu a 14 anos atrás".
Fazer o que né? Acho que ainda tenho tempo de fazer um pedido ao apagar a velinha...


"E começa a aprender que beijos não são contratos e presentes não são promessas. (...) Aprende que maturidade tem mais a ver com os tipos de experiência que se teve e o que você aprendeu com elas do que com quantos aniversários você celebrou."

sábado, 23 de agosto de 2008

Amor pra recomeçar


E como diria Frejat, que hoje ainda exista amor pra recomeçar.

sexta-feira, 22 de agosto de 2008

Festival de Inverno Bahia


A terra do frio vai ferver. Não é pra menos, com a banda mais gata do mundo tocando: Capital (Inicial). E ainda tem o samba da Maria (Rita), e o doce do Arnaldo (Antunes).
Antes era micareta, hoje os dias mais esperados do ano, para nós, são os três dias do Festival. O medo de ser barrada, as identetidades falsas, e a emoção de ver seu querido ídolo tocar pra você. Comprei minha roupa alguns dias antes, confortável e quentinha. Comprei uma linda Melissa pra combinar. Pedi camarote de aniversário (meu aniversário é segunda 25/08). Dois dias. Fiz minha unha com amor e carinho (que por sinal borrou um segundo depois, e não pude concertar), minha mãe vai concertar minha cabeleleira aqui e final feliz...
Mas tá faltando alguma coisa/alguém/algo... eu só queria que fosse mentira, uma brincadeira sem graça, uma surpresa. Agradável. A melhor.
Porque Festival de Inverno Bahia, eu quero estar com você!

"É tão certo quando o calor do fogo... eu já não tenho escolha, participo do seu jogo. Não consigo dizer se é bom ou mal, assim como o ar me parece vital, onde quer que eu vá, o que quer que eu faça, sem você não tem graça." (Capital ♥)


terça-feira, 19 de agosto de 2008

Ele é o bom!

Ele possui aquele ar irresistível, que te cativa ao primeiro olhar. Atrai todos os olhares e ninguém sabe ao certo com quantas ele já ficou, mas os palpites são muitos. Típicos cafajestes, daqueles que tem boa pegada, te deixam zonza, mas não vão te ligar, e amanhã já vão estar se pegando com outras. Por mais que ás vezes pareça tentador, os cafas não fazem meu tipo. Eu me amo o suficiente para não entrar numa história com prazo de validade já determinado.
Meu negócio é outro: eu gosto daquele que passa despercebido e que apesar de ser lindo, quase ninguém repara. Aquele garoto que não vai pegar todas na festa, e se bobear, não vai beijar nenhuma. O que antes de chegar em você vai ficar um tempinho te observando, sorrir, e ficar sem jeito quando os olhares se cruzarem. O tipo que quando fala, tem todo um jeitinho fofo.
Sim, eu gosto é dos bonzinhos. Anjinho(s).

Virgem

Vale para quem nasceu no 1º decanato: de 23/8 a 1/9

Personalidade
Você é superprestativa e preocupada com as pessoas próximas. Gosta de ajudar e é exigente consigo mesma, pois quer dar o seu melhor na vida. Preocupa-se bastante com o corpo, a saúde e a aparência: é daquelas que carregam sempre um remedinho ou um hidratante na bolsa!

Como você ama
Gosta de garotos românticos, que colocam o amor acima de tudo! Por se dedicar muito ao relacionamento, espera cumplicidade e pode acabar sendo exigente demais com seu namorado. Cuidado para não exagerar e virar a mala da relação!

A turma
Seu lema é sempre ajudar! Com a galera, você mais parece mãe do que amiga, pois gosta de mimar todo mundo. Com esse jeitinho prestativo, pode acabar assumindo sozinha tarefas que seriam coletivas, como fazer um trabalho de grupo.

Profissão
Biológicas e humanas são seu forte. Você é prática, sabe trabalhar em equipe, tem disciplina e é superdedicada. Vai arrasar em áreas como psicologia, fonoaudiologia, medicina ou como pesquisadora.

Desafios
Você se irrita muito com indefinições. Todos temos poucas certezas na vida, virginiana.

Sua amiga de Virgem
Ela é prestativa e sempre traz pra você alguma supresinha, como um pedaço do seu bolo preferido ou uma bijuteria que tem a sua cara. É companheira, generosa e ótima para te ajudar a estudar as matérias mais difíceis.

Seu namorado de Virgem
Esse garoto adora discutir a relação! Ele precisa esclarecer tudo e pode gastar horas tentando entender os sentimentos. Mas ele pode ser um pouquinho cricri também, pois detesta demonstrações de ciúme e tudo que fuja da racionalidade.

Quinzena:
Tudo ao mesmo tempo agora! É essa vibe que você está vivendo nesta quinzena, com sentimentos aflorados, tudo intenso e misturado. Desse jeito, você pode até se apaixonar pra valer. Não tenha medo de arricas. Se jogue!
Dica: hora de se entregar mais para o amor, sem culpa. A vida passa muito rápido para ser tão rígida consigo mesma

Oi, estresse.

Sabe quando você programa pra tudo sair do seu jeito e nada dá certo? Então. Descontei tudo na minha irmã mais nova (que eu, não mais nova de todas...) e não quis mais ajudá-la na tarefa. Fechei a cara pra minha mãe que mandou eu lavar o cabelo. E quase cortei minha franja que fica caindo no meu olho sem eu mandar. Eu não sou de ter esses ataques, mas esse negócio me tirou realmente do sério. Ainda mais essa ausência insuportável e chata. E agora juntou tudo. E ainda tive que comer sopa de feijão! (eca)
Mas eu ainda sou legal quando quero, meu signo bomba, meu amorzinho chora em público (oun) e eu tenho a cupida mais meiga do mundo. Não desista de mim.

domingo, 17 de agosto de 2008

Status: ausente

Ausência é f***. Eu não gosto de falar palavrões, e nem falaria se eu contasse isso pra alguém. Mas como tô escrevendo no meu blog: ausência é foda. É mesmo. Saudade é bom, mas ausência é um saco. Só te faz surtar (e escrever bobagens no blog).
E antes que eu revele qualquer coisa aqui que eu não quero falar, vou me ausentar. Até quando der... ou puder.

quinta-feira, 14 de agosto de 2008

14:14

Eu sempre fui uma pessoa que acredita nessas tradições bestas, sabe. Sempre consegui espantar visita com vassoura atrás da porta, sempre tive febre com uma folhinha debaixo do braço (...). E agora, me inventam uma nova moda: se você olhar no relógio e for "01:01/02:02..." alguém está pensando em você. Já ouvi até dizer que podemos fazer pedidos até mudar de horário. E como boa acreditadora que eu sou, lá fui eu, acreditando, esperando, e eis que numa bela tarde de sol, eu consegui olhar no relógio e o mesmo número da hora, era o do segundo. Não esperei muito para começar a fazer meus pedidos... mas é engraçado, fiz até uma listinha, e na hora só lembro de um. O único que não realiza. E eu fico repetindo, repetindo, repetindo, até mudar. E num dia de hora 14:14 estava eu no belo MSN, e me empolguei e escrevi para única pessoa com a janela aberta "tem alguém pensando em mim! tem alguém pensando em mim"... e para minha surpresa, não recebi uma resposta "ah, que massa" nem nada parecido. Recebi um simples "eu". Tinha alguém pensando em mim mesmo. Acontece, que agora, não vejo mais números parecidos, e ainda estou tentando saber se 14:13 e logo depois 14:15 tem algum significado. Tenho medo. Será que não pensa mais em mim? Eu pulei logo o que não era pra popular... e ainda não inventaram nenhuma regra pra essa hora. De qualquer forma, meu peito tá coçando, e isso é um bom sinal. Tô pensando em grudar na hora, são 22:33.

quarta-feira, 13 de agosto de 2008

Cansada.

Cansei. Cansei do meu trio que já algum tempo, não é um trio de verdade. Quando não sou eu e uma, é ela e outra. Cansei do meu quarteto chato, onde uma não gosta daquela, e essa atura a outra com todas suas forças. Cansei de todas caretices das pessoas, as chatisses, as mesmisses de sempre. Cansei desse mundo injusto, dessa lei injusta, desse Brasil. Cansei de falar e não ser ouvida. Cansei de pessoas sempre ocupadas. Cansei de janelas do MSN piscando. Cansei de tantas e tantos... e quase não tenho forças mais pra descansar. Só não me faça me cansar de você, porque você é minha paz... meu descanso.

segunda-feira, 11 de agosto de 2008

Dia do estudante.

Podem até dizer "como você não escreve no dia dos pais e escreve logo no dia dos estudantes?!". Mas no dia dos pais, eu escrevi para meu pai, aliás, para ele ler... e hoje, mais óbvio do que antes, escrevo para os estudantes e quem mais quiser ler. (dãã)
E eu quero dizer que ser estudante é um saco. Sério, você ganha um conhecimento que no futuro só vai usar 5%, muitas broncas pelos pais por nota baixa, muita baixaria pelos seus colegas, professores chatíssimos & incompreensíveis e por aí vai.
E a tal regrinha (Quem não cola não sai da escola) anda solta por aí... e eu como estudante concordo plenamente. Fala sério, às vezes a gente domina o assunto e tudo, mas aquela palavra naquela questão te confundiu completamente, colé, é só olhar a do vizinho. Ou bater um lero com o Manoel da esquina, como se estivesse contando aquela última fofoca. E no final, a lerda da professora, só vai ouvir um zumbidinho e você se dá bem, ér.
Minha regra é entregar no dia, e está preparada para o teste. Só. Não importa como você chega lá, quem vai saber? Eu sou conhecida como CDF e amo Matemática, mas não faço nada parecido do que os outros que passam a tarde inteira numa banca. Presto atenção na aula, tiro minhas pequenas dúvidas, faço os trabalhos na véspera e estudo um dia antes da prova, exeto para inglês e matemática, que não estudo. (Y)
Agora mesmo, estou fazendo um trabalho para ser entregue no segundo horário amanhã, que foi passado uma semana antes. Mas do que adianta fazer uma semana antes, se ainda falta uma semana? E de qualquer forma, eu vou entregar com a maior cara limpa, parecendo que passei a semana inteira fazendo aquilo e ainda receberei elogios. E o que vale mesmo é o 10 no boletim, fala se não é.
Eu não sou imatura, sou uma pequena cdf irresponsável, brasileira e claro, estudante (daquelas que odeiam professores). De qualquer forma, eu ainda sou ligada numa boa leitura e sou louca por um bom romance... então vou ler (ou pelo menos fingir).

Minha mãe é má

Um dia eu li um texto aí, e tive orgulho de falar que minha mãe é má... sério, muito má. E ela concorda. Então, como todas mães más, ela sempre está no meu pé e mesmo não ficando muito em casa a tarde, sabe o que eu (não) ando fazendo.
E eis que ela descobriu como estou mais irresponsável que o normal. E me deu umas broncas daquelas. Nada de castigo, nada de tapinhas, nem puxões de orelha. Mas de qualquer forma foi uma bronca, e eu bem que prefiro uma surrinha do que uma bela de uma conversa.
Não foi muito longa, nem com palavrões, mas é daquelas que te fazem deitar na cama de noite e ficar pensando por horas até conseguir pegar no sono. De qualquer forma, ela me convenceu.
E quase caindo na real: eu sou uma boa filha.

quinta-feira, 7 de agosto de 2008

O dia em que Pig se quebrar

Sabe aquele dinheirinho que você guardou por tanto tempo pra depois comprar aquele tão inesperado presente que um dia você viu em liquidação na vitrine?... Então. Tô prestes a quebrar meu cofrinho cor-de-rosa do porquinho chamado Pig. Eu tinha um do Botafogo, mas não sei onde foi parar.
Voltando. Meu porquinho está lá, na prateleira, quase estourando. Só faltam uma ou duas moedinhas para o momento. Apesar de guardar tantas coisas lá dentro, ainda recebi algumas que meus amigos jogaram lá, ou meus pais, ou minhas irmãs que não sei ao certo o que era. E não deixa de existir aquela pontinha de curiosidade... será que tem quanto? Será que minha mãe só colocava moeda de 1 real ou de 5 centavos?
Eu sempre adiei a data de quebrá-lo, mesmo com ele quase cheio, até porque ele é uma fofura. Mas agora já está marcado, vai ser numa tarde de sexta. Só tenho medo de desistir. Não sei se quero estar só ou com minhas companheiras de "estou aqui pra rir ou chorar". Eu não quero ver ninguém triste, e quero chegar em casa com as moedinhas caindo da minha mão, sem saber como falar pra minha mãe o que quero comprar. Mas eu ligarei pras que ficaram em casa e contarei embolando a língua toda como foi bom.
Quero ver os cacos do meu porco no chão. Não sei ao certo se devo atirá-lo ou tirar apenas um pedacinho para não sofrer tanto impacto... De qualquer forma, ainda tenho 24h. para pensar.

terça-feira, 5 de agosto de 2008

"O tempo rodou num instante...

...nas voltas do meu coração."

Passou tudo tão rápido, foi tão pouco tempo, que nada consegue mudar, nada consegue esquecer. E eu mal tive tempo de dizer como tudo foi muito importante e inesquecível, tão bonito, especial. Do jeito que eu sempre quis. E as lembranças ainda ardem vivas, querendo que tudo aconteça de novo, só que dessa vez diferente... mas bonito.Ontem, na casa de Carlos, ele me contava sobre sua vida, e de repente, seus olhinhos se encheram de lágrimas ao falar de seu filho. Ele dizia que ficou tanto tempo longe, tanto tempo ausente, e que um dia... para perceber o quanto o filho cresceu precisou encontra-lo com a mães nos braços, levantando-a como se fosse uma pena (ok ok, eu exagero mesmo). E num outro, esbarrou nele sem querer, e voltou pra trás, ele estava tão forte... tão alto; nem se mecheu no esbarro. Desde quando? Eu nunca fui muito boa em ouvir, acho que não sou uma boa ouvinte, mas ele me conta bastante coisinhas que acredito não contar pra quase ninguém. Então eu abri meu melhor sorriso consolável. Queria ter contado que também me arrependo de muitas coisas, que também tenho um passado quase bonitinho, quase de chorar, quase de deixar lágrimas nos olhos. Mas ele não entenderia... mal me deixa dançar forró!
Eu queria ter contado, que muitas vezes também não estive presente quando muitas amigas precisavam, e quando meu pai ficou doente eu mal conseguia dizer "melhoras". E agora, ele tinha o filho dele ali, crescido... e ele não sabia mais o que fazer.
Poderia ter dito que também passo por algo parecido, e estou totalmente perdida. Queria dizer para ele que tudo vai passar, vai ficar bem, e não importa o que aconteça ele sempre será o "herói" do filhão. Mas eu não podia dizer isso... Seria como o pai teve que dizer pro filho no filme de Batman... que tudo ficaria bem, mesmo não tendo certeza disso. Às vezes é preciso dizer que tudo vai ficar bem, mesmo sabendo que não... mas eu nunca fui muito boa em mentir.
E num segundo, fui no íntimo e busquei qualquer palavra que queria ouvir num segundo desses. Mas talvez, eu não quisesse ouvir nada. Não sei o que fiz logo depois, acho que soltei um "oun" como de costume. Mas eu queria abraçá-lo! Abraçá-lo forte e dizer que eu também sentia isso... mas era tarde demais.
-Ah, sim... o fá.

sábado, 2 de agosto de 2008

Felicidade.

Depois de uma séria de chatices, tô feliz. E duas chatas juntas = felicidade. É como se explicaria matematicamente (-) x (-) = +. Eu gosto de Matemática. Só não gosto de ciências e da professora. Só gosto de Chelly.
Além disso, vou ganhar um livro que andava querendo a um tempo, posso ficar na internet até mais tarde e "descobri" um amigo. Um amigo do qual eu não achava que era amiga, mas é ótimo ser amiga. É ótimo receber um "boa sorte" e estar feliz, apenas com o boa sorte. Agora, sim, podemos conversar, sem receios. Como nos ensinaram na evangelização. Estou feliz de poder abrir a conversa do msn e te perguntar qualquer besteira, só pra poder iniciar uma conversa.
Está chegando um aniversário muito desejado, segunda tenho dois testes e estou me esforçando (mesmo com todas as borboletas prontas pra atacar meu estômago)!
Você sabe que me ama.

sexta-feira, 1 de agosto de 2008

Borboletas no estômago.


A insuportável professora de ciências pediu para pesquisar-mos algo que aconteceu com algum conhecido seu, que envolvesse o aparelho digestório. Não pensei muito, para que viessem borboletas no estômago na cabeça. Além de acontencer com quase todos, aposto que ninguém teria a minha criatividade. Mas, depois de um raciocínio mais rápido do que a idéia, essa não era a melhor professora para que pudesse falar sobre isso... talvez, ela nunca sentiu as borboletas voarem sobre seu estômago... não duvido nada, mesmo com seus 3 filhos. Ainda bem que tenho vocês, pra poderem contar sobre esses bichinhos perigosos!
Borboletas no estômago é uma expressão americana para definir um sentimento engraçado que algumas pessoas têm quando estão apaixonadas, ansiosas, nervosas ou com medo. É bom sentir isso. Faz-nos sentir vivos. Boas notícias e informações interessantes também proporcionam esse sentimento.
Os sintomas são variados. O coração acelera. A boca fica seca. As pupilas ficam dilatadas. Você sente-se flutuar. Enquanto isso, as borboletas brincam de pegar dentro do estômago. As mãos trêmulas. O medo da rejeição aumenta. Mas o beijo nervoso e molhado faz a cabeça girar, o corpo suar. Quando as borboletas brincam no estômago é difícil respirar. E elas são desobedientes.
As borboletas só se aquietam quando você já está em paz... porque apenas alguém é sua cura, se é que alguém tem cura. Mas não se esqueçam: O segredo não é se livrar das borboletas no estômago, mas fazer com que elas voem em formação.